Fundos de ações.


Oi amig@s,

Os fundos de ações foram a minha primeira experiência com a renda variável.

No ano de 2011 eu já buscava um rendimento mais significante do que a velha e conhecida poupança.

Eu passei a ler sobre investimentos, ganhos na bolsa de valores e diversificação.

Assim, segui a trilha desconhecida dos novos investimentos.

Peguei três mil reais e depositei mil reais em três fundos diversos: Ações BB, Petrobrás e Construção Civil.

Com a menor oscilação dos valores eu me desesperava.

Era mais ou menos assim: se eu ganhasse 100 estava bom, mas se perdesse 10 estava terrivelmente péssimo.

Descobri que estava totalmente averso ao risco de perder dinheiro.

Sabem o resultado: me desfiz de dois fundos de imediato e pensei o seguinte: vou ficar com a Petróbras, porque a certeza do retorno é garantido! Anos depois eu diria:


Com toda essa crise, lava-jato, corrupção, delação... entreguei mil reais e ouvi:







Mas não desisti. Continuei os estudos e resolvi traçar outras estratégias.

Enquanto isso mantive o fundo de ações da Petrobrás.

Eu comprei mais algumas cotas quando a ação estava em baixa e hoje não estou no prejuízo. Aliás, se vendesse hoje todas as cotas estaria no lucro exato de R$ 1.066,85.

Conclusão: os fundos de ações são investimentos arriscados tal qual as ações, com custos maiores (taxa de administração e imposto de renda).

Serve para pessoas que querem entrar na renda variável, mas precisam sentir primeiro onde estão pisando ou até mesmo quem não possui tempo para se aprofundar nas análises das ações.

O ideal é começar sempre devagar, investindo pouco dinheiro para ganhar mais confiança e com o ingrediente da paciência.

Me conta se você conhece este investimento e a sua experiência, vamos conversar!!


Comentários

Ainda é cedo para sair! Já conferiu AS MAIS LIDAS?

Mais lidas

Imposto de renda: rendimentos isentos e não tributáveis na venda de ações

Últimas operações na carteira de acões

Planilha x Imposto de renda