RESTITUIÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA 2018


Olá amig@s,

Ao retornar de uma viagem muito divertida por São Paulo recebi esta semana uma ótima notícia: a liberação da restituição do imposto de renda 2018 no próximo dia 15 de agosto.


No meu caso, a dedução do imposto de renda é feita diretamente na fonte.

Apesar da alta carga tributária que é paga por nós, contribuintes, ainda arcamos do próprio bolso com serviços essenciais como educação escolar e saúde.

Dessa forma, tais despesas podem ser descontadas do valor pago e caso o imposto retido tenha sido maior que o devido, temos saldo a ser restituído.

A consulta da restituição pode ser feita na página da Receita Federal, por meio do seu aplicativo ou mesmo pelo telefone 146.

Uma dica importante para quem ainda não teve a restituição liberada é verificar se há alguma pendência, VEJA COMO:






Neste caso, você deve gerar seu Código de Acesso no serviço localizado na página da web da Receita Federal, chamado de e-CAC e criar a sua senha através do preenchimento de algumas informações pessoais, inclusive com os números dos recibos das últimas declarações.

Após a geração do código de acesso, você deve acessar o “Extrato do Processamento da DIRPF” e caso exista alguma pendência já poderá visualizar e enviar uma declaração retificadora para corrigir o equívoco.

Todas as restituições, quando liberadas, são atualizadas pela taxa Selic.

Ao enviar a minha declaração no final de março/2018, o imposto a restituir era de R$ 8.166,05 e, pouco mais de quatro meses depois, será creditada na conta do Papai a importância de R$ 8.376,73.

Muitos bancos oferecem aos clientes a antecipação da restituição, mas tal prática deve ser evitada, pois nada mais é do que um empréstimo que o banco faz para você mediante a cobrança de juros.

Após a confirmação do recebimento da restituição sempre chega uma dúvida: o que fazer com o dinheiro?

A primeira coisa é enxergar suas finanças pessoais.

Há dívidas a pagar? Caso positivo, quite o saldo devedor!

Você possui uma reserva de emergência? Se não possui, deixe o dinheiro guardado para eventual necessidade, seja no tesouro selic ou até mesmo na poupança.

Se você está com tudo em dia, o melhor a fazer é investir, aumentando o seu patrimônio.

Lembrando que os investimentos devem ser pensados de acordo com as metas de curto, medio e longo prazo, bem como conforme o perfil de cada investidor.

Eu já sei o que vou fazer: manter o plano de diversificação dos investimentos, distribuindo o dinheiro na proporção de 70% na renda fixa e 30% na renda variável.

Atualmente sigo monitorando as ações da Cielo (Ciel3), que inclusive vai ampliar a sua política de distribuição de dividendos.

Enfim, seja por meio de compras de títulos do tesouro direto, CDB's, fundos imobiliários, ações ou outros investimentos, o fato de poupar a restituição do imposto de renda é um passo muito importante para que a gente consiga atingir a independência financeira ou os nossos objetivos de vida.

Grande abraço.

@papainabolsa

Comentários

  1. Grande Papai, boa restituição !!
    o meu também é descontado na fonte, eu acho um absurdo quando paro pra ver quanto que édescontado de nossos salários em troca do retorno horrivel do serviço publico que temos.
    Eu paguei 30.000 e uns quebrados direto da fonte e irei receber somente 2.200 e pouco...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Sem Noção. A gente paga caro por muito pouco.
      Sua restituição vai ser menos de 10% do valor contribuído!!
      Bola pra frente.
      Abraço.

      Excluir
  2. Parabéns papai!!!! Recebi somente R$ 350,00 e utilizei a grana para pagar a 1ª parcela do IPVA que estava para vencer. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá valendo, Gari.
      Devemos buscar meios para aumentar a restituição.
      Nos meu caso os três dependentes me favorecem!!
      Abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Mais lidas

Imposto de renda: rendimentos isentos e não tributáveis na venda de ações

Planilha x Imposto de renda

A PACIÊNCIA no mercado de ações.